Água, o bom exemplo chinês

Por Théo Dutra Vieira
De Shanghai, China

Segunda maior economia do mundo, a China vem pagando um elevado preço ambiental pelo boom econômico: ar poluído, terras contaminadas, áreas inabitáveis, desertificação e, naturalmente, uma séria crise de águia potável. O país tem apenas cerca de 6,5% dos recursos renováveis de água do planeta para sustentar 1/5 da população mundial. Em consequência, o volume per capita disponível no país corresponde a 1/4 da média mundial.

Além da distribuição irregular dos recursos (4/5 estão localizados no sul do país), a escassez é agravada pelo imprudente uso industrial da água feito durante décadas. Assim, do pouco volume disponível, boa parte está poluída. Apenas 50% dos dejetos urbanos são tratados e mais de 1/3 das 661 cidades chinesas não têm estações de tratamento de esgotos.

Recentemente, as autoridades chinesas cortaram o suprimento de água para 200 mil pessoas na província de Jiangsu, depois de constatado que o rio local continha níveis perigosos de amônia. O Banco mundial e pesquisadores do governo estimam que 60 mil pessoas morrem prematuramente a cada ano na China em razão da má qualidade da água.

O governo já despertou para o problema e vem promovendo grandes esforços para enfrentar o desastre ambiental em suas várias frentes: buscando a introdução de tecnologias limpas, a redução das emissões e penalizando durante as transgressões ambientais, além das medidas que vêm sendo tomadas para conter a poluição sobretudo nas áreas rurais. Somente em projetos de tratamento de água serão investidos 125 bilhões de dólares nos próximos anos. Contudo, as soluções não virão tão cedo.

Iniciativas particulares
Paralelamente aos esforços do governo, e diante da gravidade do problema, começam a surgir na China iniciativas de entidades provadas com o propósito de levar água potável para comunidades carentes que mais sofrem os efeitos da poluição hídrica. Uma dessas iniciativas partiu da norte-americana Global Health and Education Foundation (GHEF), que lançou o projeto Safe Drinking Water (beba água com segurança), um programa sem fins lucrativos destinado não apenas a fornecer água de qualidade à população, mas sobretudo conter a disseminação de doenças provocadas pelo consumo de água contaminada.

Com apoio de outras entidades, a China Foundation for Disabled Persons (CFDP) e a Chinese Academy of Science (CAS), o primeiro projeto começou a ser implementado em dezembro de 2006. A GHEF entrou com seu expertise em gerenciamento de sistemas de tratamento, educação e saúde, a CAS ofereceu todo suporte técnico, incluindo definição do processo de tratamento, ficando sob a responsabilidade da CFDP a execução do projeto.

Projeto piloto
O projeto piloto foi implantado na cidade de Shanyin, província de Shanxi, na região centro-leste da China, área com séria incidência de fluorose e aresenicose. Selecionada a fonte de água e construída a estação de tratamento (espécie de filtro de grande dimensão), durante algum tempo a água potável foi distribuída de graça à população, acompanhada de uma campanha de educação sanitária. A partir daí, foi estabelecido um preço simbólico para o fornecimento do produto, visando à obtenção de receita por um membro da população local.

O poder público da província também fez sua parte, reduzindo o preço da energia elétrica consumida na estação e isentando de impostos a exploração da fonte.

Inaugurada oficialmente em setembro de 2007, a estação atende hoje a 215 residências e 830 moradores, fornecendo água limpa, disseminando educação sanitária e promovendo saúde pública. Para escolas e moradias de pessoas idosas, o fornecimento de água é gratuito.

Diante do sucesso da iniciativa, os idealizadores do projeto já estudam sua extensão a outras cinco vilas, como parte de um processo que não pode ter limites, especialmente se puder contar com a parceria de patrocinadores  que se responsabilizam pelos custos de implantação das estações.

A iniciativa revela como podem ser simples as soluções para proporcionar qualidade de vida, saúde e felicidade às populações carentes, apenas por meio do fornecimento de água potável. Um bom exemplo para o Brasil.

 
 
Voltar Topo Indicar a um amigo Imprimir
 
 
ABINAM - Associação Brasileira da Indústria de Águas Minerais
Rua Pedroso Alvarenga, 584 | 4º andar | conj. 43 | 04531-001 | São Paulo | SP | Brasil
Tel/Fax: +55  11  3077-2050 | 3167-2008
  |  E-mail: atendimento@abinam.com.br 

 

 
Nipotech